Notícias


10/05/21 Tempo de leitura: 2 min Por: greenlegis

O que é ESG e por que ele é importante?


Compartilhe com sua equipe:

ESG, ou ASG em português, é a sigla que representa os termos environmental (ambiental), social (social) e governance (governança), sua função é medir o impacto social e sustentável que um investimento em determinado negócio traz.

Por se tratarem de critérios relacionados a sustentabilidade, são indicadores importantes da performance financeira de uma companhia no futuro.  Nesse contexto, cada termo representa um conjunto de critérios e padrões operacionais identificáveis que são utilizados por investidores, principalmente os que prezam pela responsabilidade social das organizações nas quais pretendem manter investimentos.  

  • Critérios ambientais: dizem respeito à performance da companhia em relação ao uso de recursos naturais, emissão de carbono, eficiência energética, poluição e tecnologia limpa.  
  • Critérios sociais: englobam as relações com os empregados, fornecedores e comunidades com o qual a organização interage, políticas de inclusão e diversidade, treinamento da força de trabalho, direitos humanos, privacidade e segurança de dados. 
  • Critérios de governança: referem-se à liderança da companhia, independência do conselho, diversidade na composição do conselho de administração. ética, transparência e controles internos. 

O termo chamou a atenção do mercado financeiro em 2005 após um relatório da ONU que alertava sobre a necessidade da inclusão dos critérios de ESG no mercado de capitais. Com o agravamento dos riscos gerados pelo aquecimento global e mais recentemente, da pandemia causada pelo vírus COVID-19, tornou-se imperativo na análise de investimentos o entendimento dos riscos e oportunidades que as empresas podem enfrentar considerando o ESG, visto que o conceito engloba fatores chave de performance de um negócio no longo prazo. 

A importância do ESG

A inclusão dos fatores de ESG nas análises de investimento complementa as ferramentas de avalição tradicionais, fornecendo insights e demonstrando riscos que não são capturados, principalmente os de longo prazo, relacionados aos critérios relacionados ao conceito. 

A bolsa de valores brasileira, a B3, criou em 2020 o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3) com empresas que possuem as melhores práticas em sustentabilidade. 

Considerando o ambiente internacional, existe uma tendência de que a adoção de políticas de ESG se tornará condição necessária para a atração de investimentos. De acordo com a ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), ao longo das últimas décadas, investidores de diversos países desenvolvidos foram incentivados a aplicar o ESG em suas decisões. 

Portanto, existe uma tendência na preferência por aplicações que levam em consideração os critérios abordados, inclinação que é identificada com mais força na nova geração de investidores.  

A pesquisa Trust Wealth and Work, do Bank of America Merrill Lynch, realizada em 2018 apontou de “forma conservadora” para um crescimento de 20 trilhões de dólares em ativos de fundos ESG nos Estados Unidos nas próximas duas décadas. 

Ainda que, atualmente as métricas de ESG não sejam obrigatórias nos relatórios públicos das companhias, um número crescente de empresas tem tomado a iniciativa de incluir esses critérios em uma sessão específica no documento. 

O Papel da Conformidade Legal no ESG 

No passado, ações de relações públicas sobre a responsabilidade social corporativa tinham maior peso junto aos investidores, porém com a crescente importância do tema nas decisões dos agentes do mercado financeiro, tornou-se imperativo que as empresas consigam demonstrar sua performance nos critérios de ESG, inclusive sendo esse também um critério de governança. 

Enquanto alguns critérios para avaliação de investimento em ESG podem ser considerados subjetivos, tais como diversidade e inclusão, os que estão relacionados com a legislação e regulamentação são mais facilmente auditáveis. 

Quando a companhia adota um processo de gestão da conformidade legal, os riscos legais envolvidos na operação passam a ser controlados e como consequência são reduzidos, a empresa passa a ter acesso as normas aplicáveis ao seu negócio de forma sistematizada, tendo controle sobre as leis e documentações necessárias para a conformidade legal.  

A empresa passa a ter também a capacidade de construir relatórios precisos e confiáveis sobre o atendimento de questões mais sensíveis da legislação ambiental, ocupacional e demais regulamentações aplicáveis às suas atividades em cada unidade de negócio. 

A adoção de um processo de gerenciamento de requisitos legais fortalece o sistema de gestão de uma organização (gestão ambiental, saúde e segurança ocupacional, responsabilidade social, qualidade, energia, entre outros), atuando na preparação das organizações para participarem do ISE. 


Solicite uma demonstração do Sistema GreenLegis e verifique na prática as vantagens da utilização de um Software para Conformidade Legal na sua Gestão ESG.


Confira também:

E-book Os 6 Passos para a Gestão da Conformidade Legal Ambiental


Veja também

Informe o seu email e receba nossos conteúdos!


Fale Conosco

+55 31 2514-2521
+55 31 98117-6435
contato@greenlegis.com.br
Ouvidoria
Rua Gonçalves Dias 874,
sala 701 - Funcionários
Belo Horizonte / MG - Brasil
GreenLegis Serviços em Sustentabilidade © 2022. Todos os direitos reservados.